Pular para o conteúdo principal

Quatro poemas sobre desilusão amorosa


Foto: imagens da internet


Estou doente

Há dias chovem estrelas enegrecidas dentro de mim.
Se eu pudesse comer do olho do furacão
Ou mastigar algumas conchas...

Ah, mas tu, que te foras sem querer deixar vestígios em mim
Ainda está presente em meus dias,
Todos nublados, todos repletos de chuvas de meteoros
E luas que nunca nascem...


Perdoe-me, deixa-me viver, liberte meu espírito

Alma sedenta, para que não arranhes
O corpo que te envolve,
Perdoa-me!

Cá dentro, batem em revoada
Todos os presságios
Que um dia ousaram fugir dos jardins secretos.
E hoje a hiena que é minha alma, está sedenta por sangue,
Sedenta!

Alma sedenta, para que as crianças não chorem,
E os homens não exijam que eu vá para debaixo da cama.
Não vou beijar teus pés, não estou condenado ao inferno.

Alma sedenta, antes de qualquer coisa,
Perdoe-me, deixe-me viver, liberte meu espírito.

Você é minha irmã, meu pedaço de inocência,
Crescendo em meu peito como uma caçadora,
Eu te amo por que não preciso me explicar pra você
Nem contar meus sonhos para as estrelas.

Você é minha irmã, minha farpa aguda,
Minha estaca enterrada no peito,
Eu não sou uma mulher, mas sou a tua irmã,
Aqui jaz a minha futura permissão cristã
Para a felicidade.

Liberte o que ainda resta de frutífero em minha
Insinuação de vida, traço curto.
Liberte o meu espírito,
Deixe-me viver,
Perdoe-me!


Se piso em falso
Chove.
E esse caos
Poético-melancólico
Dentro de mim,
Rasgando a sugestão de realidade
A que a miséria me submete.

Quero beber do por do sol
Em tuas mãos
Antes que a mortalha do amor
Frustre a minha existência.

Não brotaremos mais como antes
Dos Oasis artificiais que criamos.

Adeus, cá estou a dizer!


Permitas-me dizer, não és tão formoso
Quanto pensas,
Mais belo é o meu café
Que me aquece por dentro, tal qual
Os homens que voluptuosos
Se aconchegam em mim
Em busca do acalanto que suas mães
E outras mulheres não os deram.

Não te enganes com a minha paixão,
Sei fingir a frieza que não encontrarás na bem quista,
Bela e inquiridora Senhora.
Nela, tu encontrarás os símbolos de fé,
Nos quais não acredita
E o ventre onde depositará a tua imagem e semelhança.

Estarás feliz? Mas não é a este ponto que quero chegar,
Quero dizer-te, permita-me novamente dizer-te,
Não és tão garboso quanto te supões,
Eras, quando estavas junto a mim,
Hoje, que não és mais meu,
Mais belo é o vinho que despenca pela minha garganta
E cá dentro, mais bela é ainda, a tua imagem

Que eu um dia idealizei.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Parceria: Surpresas nas Páginas

Boa noite, lindos e lindas que visitam o meu cantinho sempre que podem. Hoje estou radiante e cheio de felicidade. 
Todos vocês já devem saber que em Abril estarei publicando o meu primeiro romance que intitulei de "Epicuro em meu jardim". Todos também sabem como é muito difícil se inserir no mercado literário. Escrever não é tão difícil assim, o difícil mesmo e ser reconhecido por aquilo que você faz. Mas existem anjos, existem pessoas comprometidas com a literatura que estão dispostas a te dar um espaço para que você fale do seu livro, para que você mostre o seu trabalho e se sinta realizado enquanto escritor.
E foi isso que aconteceu comigo, nessa longa caminhada entre escrever os capítulos e enviar para os betas, e procurar divulgar o meu material eu encontrei pessoas maravilhosas que estavam ali prontas para me socorrer e me apoiar. E hoje com muita felicidade e carinho no coração eu venho a nunciar a minha parceria com o blogue Surpresas nas Páginas.
O blogue é lindo, lin…

[ROMANCE] Epicuro em meu jardim - Marcos Welinton Freitas

A poesia deveria vir até mim, como num ímpeto. Devir vir inominada, como no gozo. Apenas o estado em que o corpo se concentra em um único sentido, o tato. Mas a poesia vem até mim dilacerando toda a minha estrutura. Costura-se em minhas artérias e vaza pelos meus olhos, pela minha boca, pelos meus dedos. Todos os sentidos se perdem e se reencontram. A poesia me torna, me assalta, antecede o meu desejo. Eu só tenho desejo no poema.
- Trecho do Livro Epicuro em meu jardim



Ficha Técinica

Autor: Marcos Welinton Freitas Págs: 110 Gênero: Romance Formato: 14 X 21 Editora: Multifoco | Selo: Desfecho Romances
Lançamento: 2017
Sinopse:
A vida às vezes nos põe no pelourinho, abrindo em nós feridas que parecem que nunca cicatrizarão, foi assim com Hedonê. Após perder o grande amor da sua vida em circunstâncias fatais, a tristeza abraçou-a de tal modo que até a única coisa que podia salvá-la de si mesmo ela perdeu, a sua literatura. A poesia deixou de fazer-lhe companhia, e ela se tornou uma escritora fa…

Tag dos namorados

Bom dia, meus queridos amig@s, leitor@s e parceir@s.
Vocês estão todos bem? Espero que estejam sim e que esse início de semana seja maravilhoso para cada um de vocês que me acompanham aqui no blogue.
Meus querid@s, é o seguinte, hoje pela primeira vez vou responder uma TAG aqui no blogue. Para quem não se liga nessas coisas, TAG é uma espécie de desafio lançado em redes sociais tematizando alguma data, coisa, ou até mesmo meme.
A TAG de hoje se chama "TAG dos namorados", e foi lançada pelo meu blogue parceiro Sinopse dos Livros, lá no instagram.
Então a TAG trás as seguintes questões:
- Desliga você primeiro, amor. Não, desliga você. - Um livro que você não queria mais largar.
- Amor, diz que me ama. - Um livro cheio de charme.
- Quem é essa no seu Whatsapp? - Um livro que você morre de ciúmes.
- Vai lá com a sua amiguinha. - Um livro que você não suporta.
- Você é tudo para mim! - Um livro que foi feito para você.

Ah, eu adorei essa TAG, vambora responder, né?!


1. Um livro que você nã…