Pular para o conteúdo principal

[CONTO] O crime do chapeleiro

Foto: Teatro dos bonecos giramundo

Ao me olhar nos olhos, Marta disse não ter visto a mim, mas a um outro dela desconhecido. Imediatamente levantei-me da cama e fui ao encontro de mim mesmo no espelho. Ao deparar-se com a minha figura, tornei-me absorto como uma lagarta em um casulo e nunca mais voltei a ser o mesmo.
***
Levei um soco no queixo e instantaneamente senti o sangue escorrer pelo canto esquerdo dos meus lábios. As pessoas em derredor de mim observavam-me com aquelas suas caras assustadas, como crianças inquiridoras em buscas das respostas de suas perguntas curiosas. Os olhos grandes como o de figuras surrealistas pregadas em uma tela de desassossego investigavam a minha conduta e resignação. O homem ao qual eu havia ofendido olhava-me com olhos fugazes de raiva. O ódio o fazia parecer como um leão faminto pelo corpo da presa. Estava rubro como uma estrela escarlate. “Aqui não é lugar para brigas”, exclamou o dono do bar que surgiu num repente da porta que dava para a cozinha. “Ele quem começou”, disse o homem ao qual eu havia ofendido, alegando como uma criança a sua inocência, e como um bandido o direito de fazer justiça com as próprias mãos. Sorri levianamente ao ver sua atitude covarde e novamente ofendi-o com os mesmos xingamentos que havia feito antes. Ele olhou abruptamente dentro dos olhos e eu vi-me refletido na sua raiva, lá no fundo, dentro daquelas duas bolas negras. Vi-me como a um monstro ensandecido buscando naquele ato de loucura uma resposta para a própria abstinência de não ser.
O homem continuava a me fitar atônito, com as bochechas rosadas e o lábio inferior trêmulo. A ira desperta em seus movimentos. Novamente ele dirigiu-se até mim e socou-me. Agora, seu punho fechado, viera em direção a minha bochecha e eu senti quando um dos dentes soltara-se da minha boca e perdera-se no chão em meio aos pés das pessoas que nos cercavam, tentando fazer com que ele parasse de me bater. Insanidade. Eu deveria chamar aquilo de insanidade, mas não era o que eu pretendia fazer, precisava de uma confirmação, precisava da confirmação vinda da dor.
O dono do bar, vendo tudo aquilo recomeçar e percebendo a minha culpa, aproximou-se de mim, pegou-me pelos braços e pediu, exclamando injúrias, que eu abandonasse o seu estabelecimento, ou ele chamaria a policia. O homem que havia me agredido saíra ileso de toda a situação, não fora culpado, nem por mim socado. Eu tinha assumido toda a culpa, e tudo se tornara claro. Era sempre minha a culpa. A de existir, a de não ser, a de... A culpa, sempre a mesma palavra incansavelmente dita pelos olhos dos outros. Os olhos que perscrutavam o meu corpo, os meus movimentos a minha conduta. Quem eu era além daquele fetiche vindo das sombras do meu âmago?
Tudo começara com aquela maldita peça, aquela maldita interpretação. Todos no teatro achavam que aquele papel deveria ser interpretado por mim. Ah, mas já não bastava a interpretação que me cabia diariamente perante a sociedade? Não, para eles era pouco, muito pouco. Eu precisava emprestar o meu corpo para algo que não condizia com a realidade.
Os ensaios começaram, eu seria o chapeleiro maluco, e aquela menina Alice. Ah, aquela menina... Alice. Por que mesmo sem ser originalmente a Alice dos livros ela tinha tanto de Alice em seus gestos, sua forma de falar. Era doce, encantadora. Mas não fora isso que me fizera chegar até aqui. Não tem nada haver com aquela Alice que não era Alice, mas sim com o mistério que cercava a vida daquele louco, o psicopata que seria interpretado por mim. Sim, o chapeleiro maluco não passava de um psicopata.
***
“O quê você tem querido? Anda tão estressado com a vida, com tudo. O quê te incomoda? O quê está acontecendo?” Como ela com aquela sua cara de puta poderia entender o que estaria acontecendo, sem nem eu mesmo me dava conta daquela metamorfose. O buraco abria abaixo dos meus pés e eu tinha a certeza de quê o papel de chapeleiro fora o maior erro da minha vida. Aquele corpo-espectro agora me seguia em todos os momentos, a sua conduta psicótica havia tomado conta da minha personalidade. O quê Deus, eu fizera para merecer aquele papel?
Nos ensaios havia um mistério pairando no ar. Quem? Quem? Quem eu era? E todos me olhavam com os olhos interrogativos. Eu tentava ser a personificação da loucura. Estava fugindo dos padrões estabelecidos.
Passei o batom violeta nos lábios, pois era assim que o chapeleiro pintava a sua boca. A maquiagem branca e vermelha que deixava meu rosto com uma aparência de enfermidade. Eu estava enfermo. Haviam me induzido ao erro.
***
Estava dentro do labirinto. Desconstruí-me e não consegui me reconstruí. A sombra do demônio notívago perambulava nas esquinas do meu âmago buscando o outro para assassiná-lo. Acho que assim o foi, e por dentro eu estava morto. Tudo, absolutamente tudo me causava um imenso desgosto. O pessimismo schopenhauseano havia tomado conta dos meus pensamentos, por mais alegres que tentassem ser, não haveria saída. A vida sempre haveria de terminar como numa tragédia grega. Chegaríamos ao nosso ápice e morreríamos. Foi essa a minha insatisfação. É essa a minha insatisfação.
O chapeleiro trazia consigo toda a pachorra de alguém que almejava fugir da morte. Fugir da autodestrutividade do homem. Como? O homem é um ser autodestrutivo. Sado masoquista. Masoquista.
***
Saí correndo pelas ruas da cidade como se fugisse de alguém. Como se fugisse de mim mesmo. Ali estava a confirmação da minha individualidade. Aquela busca compulsiva por uma poção anti mortificação. Deixem-me em paz. Todos os personagens da peça correndo atrás de mim, correndo, correndo. Começou a chover. Tropecei em uma pedra e caí. A minha visão tornou-se embaçada, porém na indefinição do meu olhar, pude divisar a imagem de um coelho apontando para um caminho. Almejava segui-lo. Tentei levantar, mas não consegui. De repente ouvi os sons de uma sirene. Fechei os olhos quando vi que um policial se aproximava de mim e me algemava.
***

Eu havia matado Marta, não sabia o porquê, mas havia matado. Encontrei na morte do próximo a definição da minha humanidade. Egoísta, era o que eu sempre seria. Julgado. Preso. E depois mandado para o manicômio. Eu sempre fui louco. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Parceria: Surpresas nas Páginas

Boa noite, lindos e lindas que visitam o meu cantinho sempre que podem. Hoje estou radiante e cheio de felicidade. 
Todos vocês já devem saber que em Abril estarei publicando o meu primeiro romance que intitulei de "Epicuro em meu jardim". Todos também sabem como é muito difícil se inserir no mercado literário. Escrever não é tão difícil assim, o difícil mesmo e ser reconhecido por aquilo que você faz. Mas existem anjos, existem pessoas comprometidas com a literatura que estão dispostas a te dar um espaço para que você fale do seu livro, para que você mostre o seu trabalho e se sinta realizado enquanto escritor.
E foi isso que aconteceu comigo, nessa longa caminhada entre escrever os capítulos e enviar para os betas, e procurar divulgar o meu material eu encontrei pessoas maravilhosas que estavam ali prontas para me socorrer e me apoiar. E hoje com muita felicidade e carinho no coração eu venho a nunciar a minha parceria com o blogue Surpresas nas Páginas.
O blogue é lindo, lin…

[ROMANCE] Epicuro em meu jardim - Marcos Welinton Freitas

A poesia deveria vir até mim, como num ímpeto. Devir vir inominada, como no gozo. Apenas o estado em que o corpo se concentra em um único sentido, o tato. Mas a poesia vem até mim dilacerando toda a minha estrutura. Costura-se em minhas artérias e vaza pelos meus olhos, pela minha boca, pelos meus dedos. Todos os sentidos se perdem e se reencontram. A poesia me torna, me assalta, antecede o meu desejo. Eu só tenho desejo no poema.
- Trecho do Livro Epicuro em meu jardim



Ficha Técinica

Autor: Marcos Welinton Freitas Págs: 110 Gênero: Romance Formato: 14 X 21 Editora: Multifoco | Selo: Desfecho Romances
Lançamento: 2017
Sinopse:
A vida às vezes nos põe no pelourinho, abrindo em nós feridas que parecem que nunca cicatrizarão, foi assim com Hedonê. Após perder o grande amor da sua vida em circunstâncias fatais, a tristeza abraçou-a de tal modo que até a única coisa que podia salvá-la de si mesmo ela perdeu, a sua literatura. A poesia deixou de fazer-lhe companhia, e ela se tornou uma escritora fa…

Tag dos namorados

Bom dia, meus queridos amig@s, leitor@s e parceir@s.
Vocês estão todos bem? Espero que estejam sim e que esse início de semana seja maravilhoso para cada um de vocês que me acompanham aqui no blogue.
Meus querid@s, é o seguinte, hoje pela primeira vez vou responder uma TAG aqui no blogue. Para quem não se liga nessas coisas, TAG é uma espécie de desafio lançado em redes sociais tematizando alguma data, coisa, ou até mesmo meme.
A TAG de hoje se chama "TAG dos namorados", e foi lançada pelo meu blogue parceiro Sinopse dos Livros, lá no instagram.
Então a TAG trás as seguintes questões:
- Desliga você primeiro, amor. Não, desliga você. - Um livro que você não queria mais largar.
- Amor, diz que me ama. - Um livro cheio de charme.
- Quem é essa no seu Whatsapp? - Um livro que você morre de ciúmes.
- Vai lá com a sua amiguinha. - Um livro que você não suporta.
- Você é tudo para mim! - Um livro que foi feito para você.

Ah, eu adorei essa TAG, vambora responder, né?!


1. Um livro que você nã…